Economia - 16/10/2017 - 20:50:46

 

Irmãos Batista, da JBS, viram réus por uso indevido de informação privilegiada

Irmãos Batista, da JBS, viram réus por uso indevido de informação privilegiada

 

Da Redação com Abr

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 


A Justiça Federal em São Paulo aceitou hoje (16) a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra os empresários Joesley e Wesley Batista, sócios da JBS, e os tornou réus pela prática dos crimes de manipulação do mercado e uso indevido de informação privilegiada.

“Considero existirem suficientes indícios de autoria em relação a cada um dos imputados, havendo, portanto, justa causa para o prosseguimento da persecução penal”, destacou na decisão o juiz federal João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Federal Criminal em São Paulo.

Segundo a denúncia do MPF, os empresários e dirigentes do grupo JBS lucraram R$ 100 milhões com a compra de dólares poucos dias antes do vazamento do acordo de delação premiada que fizeram com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Eles teriam também vendido R$ 327 milhões em ações da JBS enquanto seus executivos negociavam o acordo com a PGR. O MPF afirma que os empresários sabiam que a delação causaria a queda das ações da JBS e a alta do dólar e atuaram para reduzir o prejuízo.

O MPF aponta Wesley como responsável pela compra dos dólares, por isso está sujeito a pena de até 18 anos de prisão. Já Joesley teria articulado a manipulação do mercado e pode pegar pena de 13 anos.

Os irmãos Batista já estão presos desde 9 de setembro na carceragem da Superitendência da Polícia Federal em São Paulo.

Em nota, a JBS reafirma que as operações de recompra de ações e derivativos cambiais foram realizadas “de acordo com perfil e histórico da companhia que envolvem operações dessa natureza”. Segundo o texto, as movimentações estão alinhadas à política de gestão de riscos e proteção financeira e seguem as leis que regulamentam as transações.

A defesa dos irmãos Batista disse confiar na Justiça e que “voltará a apresentar relatórios técnicos que demonstram a normalidade de todas as operações financeiras efetuadas, que afastam por completo qualquer dúvida sobre a licitude de sua conduta”.

 



;

Wesley Batista (esq) e Joesley Batista (dir) da JBS

Wesley Batista (esq) e Joesley Batista (dir) da JBS

Turismo SBC


Últimas Notícias




Atirador de Campinas trabalhou como auxiliar da Promotoria de SP


Maioria do TSE rejeita ação do PT contra Bolsonaro


Luiz Marinho recebe R$60 mil via caixa 2, diz Grupo CCR


Nunca mais seremos um país socialista, diz Eduardo Bolsonaro à Fox News


Câmara de São Caetano aprova saída do Consórcio Intermunicipal


Gleisi Hoffmann, em "ato falho", entrega quem é proprietário do sítio de Atibaia